CLOSE
NAGRA Blog: Nem tudo que brilha é ouro - a falsa promessa de conteúdo ilegal

English version

Lucila Kominsky, Product Marketing Manager, NAGRA

Em um mundo conectado, onde as pessoas passam horas consultando seus aplicativos e dispositivos favoritos, a transmissão sem licença tornou-se uma ameaça maior aos produtores e distribuidores de conteúdo digital do que o P2P e os ciberlockers, que até recentemente eram os métodos preferidos para os piratas carregarem e compartilharem conteúdo. A onipresença da banda larga e a disponibilidade de soluções de transmissão ao consumidor mudaram isso, alimentando uma nova forma de pirataria que usa fluxos diretos, comumente chamados de pirataria IPTV.

Os aplicativos e dispositivos inovadores destinados a revigorar a indústria de conteúdos também fortaleceram o setor de pirataria, afetando e impactando diretamente os proprietários de direitos esportivos, estúdios de cinema,  operadores de televisão por assinatura,  além de atrair consumidores com falsas promessas.

No Brasil, enquanto as assinaturas de TV paga cresceram rapidamente entre 2011 e 2014, chegando a 19,6 milhões em 2014, diminuíram de forma constante desde então para 18,6 milhões em 2017. Essa queda se deu em parte devido à crise econômica, mas também pode ser atribuída ao aumento de serviços acessíveis de transmissão direta. Como resultado disso, as empresas de televisão por assinatura estão perdendo R$ 6 bilhões (US $ 2 bilhões) por ano, segundo estimativas da ABTA, Associação Brasileira de TV paga. Em sites como Amazon, EBay, Mercado Livre e Alibaba, há 2,7 milhões de anúncios  de dispositivos que possibilitam o uso de sinais piratas.

E para o consumidor, nem tudo o que brilha é ouro. Estão surgindo muitos casos de consumidores sendo enganados por piratas. Por exemplo, a cobertura recente da mídia brasileira se concentrou em um dispositivo novo e supostamente "à prova de bala" que promete aos usuários acesso a todos os canais de TV paga por uma única taxa de R $ 360,00 (aproximadamente US $ 115). A HooliTV, como é chamada, promete entregar conteúdo premium, via streaming, entregue em qualidade HD. Anuncia acesso a todos os canais gratuitos e de televisão por assinatura disponíveis nos principais provedores de televisão paga, bem como no conteúdo sob demanda (filmes e shows). Parece um negócio, certo? Mas de acordo com especialistas em segurança da NAGRA, a HooliTV é realmente um caso simples de fraude. Os consumidores são atraídos pela oportunidade de um bom negócio - neste caso, a televisão por assinatura de graça, mas acabam sem receber os serviços que pagaram.

Infelizmente, o caso no Brasil não é único. Uma enorme quantidade de aplicativos e dispositivos estão sendo produzidos para atender a demanda dos consumidores - especialmente entre millennials e populações de grandes cidades, que estão com fome de serviços de IPTV, mas também desconhecem as repercussões da compra de tais dispositivos.

Usuários que adquirem esses produtos sem conhecer sua legitimidade se expõem ao risco de fraude e a violação de direitos autorais. Não só muitos aplicativos e dispositivos são ilegais (de acordo com a ABTA), mas também são perigosos. A pesquisa da NAGRA em muitos desses aplicativos e dispositivos indica a presença de portas traseiras que permitem que terceiros acessem dados e senhas confidenciais dos consumidores.

Recentemente, a NAGRA realizou uma análise de vários dispositivos disponíveis no mercado latino-americano, que oferecem acesso ilegal à televisão por assinatura. Entre os dispositivos de pirataria mais populares analisados estão HTV, BTV e FreeSky OTT, que são facilmente comprados em lojas locais ou por internet, e são fáceis de operar. NAGRA fez algumas descobertas interessantes. O software que analisaram nos aplicativos foi frequentemente modificado para incluir o código que atuaria sem o conhecimento do usuário. Um usuário que baixou o aplicativo pode arriscar perder sua senha e dados privados. Seu dispositivo poderia arriscar ser requisitado como parte de uma botnet. Ou em um caso digno da distopia retratado em 1984 de George Orwell, eles poderiam (com alguns aplicativos de ponto de acesso Wi-Fi Android) expor todas as suas imagens, arquivos e bits e bytes de atividade para hackers.

Esse é um preço muito elevado para obter alguns filmes, matches ou programas de TV. E o alto potencial de lucro da pirataria de IPTV demonstra que ela não perderá seu lugar como método líder de distribuição de uma hora para outra.

Assim como as indústrias de televisão por assinatura e de conteúdo, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo, sentem o impacto da pirataria IPTV e do fluxo direto de conteúdo, mais e mais empresas estão agindo para enfrentar a situação e mudar essa maré. Contramedidas técnicas estão sendo implementadas para proteger a forma como o conteúdo é transmitido e para interromper os serviços de pirataria. E se as salas de chat online e a Twittersphere são uma indicação da opinião pública, os usuários de dispositivos e serviços de pirataria ficam cada vez mais impacientes com as interrupções de conteúdo, a má qualidade, a falta de suporte ou o apagão completo de seus programas de TV favoritos. Essas empresas e indivíduos por trás da distribuição de conteúdo pirateado também são alvo crescente para ações judiciais, arriscando multas de milhões de dólares e/ou prisões potenciais. Como sempre, a educação do consumidor é a chave. Muitas empresas de segurança como a NAGRA estão envolvidas em associações que promovem a educação do usuário. O foco no risco de perda de dados pessoais pela transmissão direta pode muito bem ter um impacto maior no comportamento do usuário do que o argumento do certo e do errado.

A abordagem holística e de ponta a ponta da NAGRA para a proteção do valor do conteúdo ajuda nossos clientes a lutar proativamente contra o compartilhamento de conteúdo ilegal e retornar os gastos do consumidor à cadeia de valor legítima. Se você deseja ler mais sobre os serviços que podemos oferecer para ajudá-lo na sua luta contra o compartilhamento ilegal de conteúdo, clique em aqui ou contate-nos em dtv@nagra.com.